A A A
Fórum do Património Portugal / Brasil

Fórum do Património Portugal / Brasil

04-04-2018

A quinta edição do Fórum Internacional do Património Arquitetónico Portugal / Brasil (FIPA) vai decorrer entre os próximos dias 23 e 25 de maio, no Rio de Janeiro, Brasil. A Rota do Românico volta a ser uma das entidades parceiras do evento.

Em 2017, o Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) e a Rota do Românico foram os anfitriões da última edição do FIPA, que, este ano, terá como cenários principais o Museu Histórico Nacional e o Paço Imperial, na cidade do Rio de Janeiro.

O Fórum Internacional do Património Arquitetónico Portugal / Brasil nasceu de um convénio entre diversas instituições brasileiras e portuguesas (o Instituto dos Arquitetos do Brasil - Núcleo Campinas, a Pontifícia Universidade Católica de Campinas e a Universidade de Aveiro), realizado de forma alternada entre os dois países e dirigido aos profissionais ligados à gestão, conservação e valorização do património.

A quinta edição do FIPA, apoiada pelo Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), surge igualmente como um momento de preparação do 27º Congresso Mundial de Arquitetos (UIA-2020), o mais importante evento de arquitetura mundial, agendado para junho de 2020, no Rio de Janeiro, promovido pela União Internacional dos Arquitetos (UIA) e pelo IAB.

Na programação do 5º FIPA, subordinado ao mote “Todos os Mundos | Reúso do Património”, destacamos, para além das várias visitas guiadas, os temas das seis mesas redondas previstas:

- “Projeto e Património: critérios para garantir a preservação da autenticidade e integridade do património nas propostas de reúso”;

- “Rotas, itinerários e paisagens culturais: novos instrumentos de gestão e reúso social e turístico de conjuntos urbanos e paisagísticos classificados”;

- “Cidade e património: novos agentes, instrumentos de gestão e financiamentos voltados ao reúso e reabilitação de áreas urbanas classificadas”;

- “Património e território: o reúso e refuncionalização dos espaços como garantia de preservação da memória coletiva e qualidade de vida”;

- “Reúso em edifícios de valor cultural e patrimonial: Aspetos técnicos, jurídicos e de legislação”;

- “Planos, programas e projetos urbanos: intervenções compatíveis com a preservação e reúso do património cultural”.