Informação Geral
Igreja de Santa Maria de Meinedo 
Ver Mapa
Visita Virtual
  • Nome: Igreja de Santa Maria de Meinedo
  • Tipologia: Igreja
  • Classificação: Imóvel de Interesse Público, pelo Dec. 34 452, DG 59 de 20 março de 1945
  • Concelho: Lousada
  • Dia do Orago: Nossa Senhora das Neves - 5 de agosto 
  • Horário do Culto: 3.ª a sábado - 19h00 
  • Horário da Visita: Por marcação 
  • Serviços de apoio:
  • Telefone : 255 810 706 / 918 116 488 
  • Fax: 255 810 709 
  • E-Mail: rotadoromanico@valsousa.pt  
  • Web: www.rotadoromanico.com 
  • Localização:
    Rua da Igreja, 137, freguesia de Meinedo, concelho de Lousada, distrito do Porto.
  • Como Chegar:

    Se vem do Norte de Portugal através da A28 (Porto), da A3 (Porto), da A24 (Chaves/Viseu), da A7 (Póvoa de Varzim) ou da A4 (Bragança/Matosinhos) siga na direção de Felgueiras pela A11 (Esposende/Marco de Canaveses). Saia no nó de Caíde da A11, seguindo a sinalização da Igreja de Meinedo.

    A partir do Porto opte pela A4 (Vila Real). Saia em Penafiel/Lousada, seguindo depois para o centro de Penafiel. Siga a direção do Mosteiro de Bustelo, pela N320, até encontrar a sinalização da Igreja de Meinedo.
      
    Se vem do Centro ou Sul de Portugal pela A1 (Porto) ou pela A29 (V.N. Gaia) opte pela A41 CREP. Depois escolha a A4 (Vila Real) e saia em Penafiel/Lousada, seguindo depois para o centro de Penafiel. Siga a direção do Mosteiro de Bustelo, pela N320, até encontrar a sinalização da
    Igreja de Meinedo.


    Se já se encontra na vila de Lousada, siga a indicação da Igreja de Meinedo, pela estrada N320.

  • Coordenadas Geográficas: 41° 14' 54.789" N / 8° 15' 26.908" O  
História
História
Ouvir

Igreja de Santa Maria de MeinedoA Igreja de Santa Maria de Meinedo, apesar de ser desconhecida a data da sua fundação, deverá ter sido erigida entre o final do século XIII e o início do século XIV, embora o templo perpetue esquemas decorativos e soluções construtivas que seguem os modelos românicos.

Apesar desta datação tardia, o prestígio da Igreja é muito grande, uma vez que Meinedo foi sede de um Bispado no século VI. Meinedo é identificado com o topónimo “Magnetum”, no Paroquial Suévico, por A. de Almeida Fernandes, citado por Marcelo Mendes Pinto, aqui radicando uma Paroécia em 572, cuja sede se terá transferido, posteriormente, para Portucale, já que o seu bispo compareceu ao terceiro Concílio de Toledo, em 589, e nesta data já não aparecer nenhuma referência a “Magnetum”.

Desta época até ao século XIII, quando é sagrada a Igreja, como a conhecemos atualmente, pouco se sabe do desenvolvimento deste sítio, embora as escavações arqueológicas, realizadas em 1991, tenham revelado uma estrutura absidal circular pertencente a um primitivo templo pré-românico.

Personalidades Históricas
Ouvir

D. Hugo 
D. Hugo (? - 7 de setembro de 1136) foi Bispo do Porto entre 1113 e 1136, tendo recebido das mãos de D. Afonso Henriques o Couto do Mosteiro de Santo Tirso de Meinedo, em 1113. Era francês de origem, tendo sido arcediago da Sé de Compostela.

Designado Bispo do Porto por influência do amigo Diogo Gelmires, é-lhe atribuído, em 1120, pela rainha D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, por doação e couto, o burgo Portucalense. Três anos volvidos, D. Hugo outorga carta de foral aos seus habitantes, dando início à construção da sé catedral, em substituição da ermida existente.

Lendas e Curiosidades
Ouvir

O corpo de Santo Tirso, trazido de Constantinopla, estará na razão da fundação desta Igreja, conforme atestam as relíquias, muito veneradas no século XVII, que se encontram na capela anexada à fachada norte. Rivalidades devocionais estarão na origem da mudança de orago nesta Igreja.

Nossa Senhora de Meinedo

Como prova de que o culto a Nossa Senhora era superior ao de Santo Tirso, Agostinho de Santa Maria relata que, em 1686, quando a imagem da Senhora de Meinedo foi retirada do retábulo da capela-mor para a realização de obras e correndo o rumor de que a mesma, por ser demasiado grande, iria ser enterrada ou queimada, a população – devota de Santa Maria a Alta – terá exigido que a mesma ficasse, temporariamente, num do altares colaterais.

A imagem de Nossa Senhora de Meinedo, em calcário e com vestígios de policromia – a qual terá sido pintada de cores e ouro – é um dos poucos exemplares da escultura românica em Portugal, já que a devoção está centralizada nas relíquias.

Cronologia
Ouvir

Séc. VI (meados) – Construção da basílica, sede do Bispado de Meinedo;

1113 – Referência à existência do Mosteiro de Santo Tirso de Meinedo;

Sécs. XIII-XIV – Construção da Igreja;

Sécs. XVII- XVIII – Revestimento a azulejos, azuis e brancos, da capela-mor, construção da torre sineira moderna e colocação dos retábulos e retábulo-mor em talha dourada;

1991 – Arranjo da Capela de Santo Tirso pela Comissão da Fábrica da Igreja;

Séc. XX (década de 90) – Início das obras de recuperação e restauro da Igreja de Meinedo pelo IPPAR - Instituto Português do Património Arquitetónico;

1998 – Integração da Igreja de Santa Maria de Meinedo na Rota do Românico do Vale do Sousa;

2007 – Conservação geral da Igreja e da sua envolvente, no âmbito da Rota do Românico do Vale do Sousa;

2015 – Conservação geral da Igreja ao nível das coberturas, paramentos e vãos, e criação de condições de acessibilidade, no âmbito da Rota do Românico.

Especialidades
Arquitetura
Ouvir

Santa Maria de Meinedo é um monumento de arquitetura religiosa, sendo uma Igreja de planta longitudinal, nave única e capela-mor retangular, ambas com cobertura de madeira de duas águas, possuindo redecoração interior setecentista.

Planta da Igreja de Santa Maria de Meinedo

O portal principal não possui tímpano nem colunas e abre-se em arco apontado. As suas arquivoltas encontram-se decoradas com motivo de pérolas, uma solução muito própria do gótico rural. Já o portal lateral sul não possui qualquer decoração, enquanto o norte está entaipado.

A cabeceira é rematada, na parte superior, por cornija assente em cachorros lisos, tal como a nave, embora esta possua alguns cachorros esculpidos.

Alçado da Igreja de Santa Maria de Meinedo

O estilo arquitetónico deste monumento é, claramente, identificável com o românico rural. Os esquemas decorativos e as soluções construtivas seguem os modelos românicos, apesar de ter sido edificada mais tarde.

Ligeiramente a norte, num local onde terá existido uma villa romana, encontram-se vestígios - muros e alguns capitéis - do que poderá ter sido uma basílica.

Arqueologia
Ouvir

A norte da Igreja, numa eventual villa romana, encontram-se vestígios de muros e elementos de uma basílica, que terá sido a sede do Bispado de Magnetum, provavelmente do período suevo.

Nos anos 90, durante escavações arqueológicas no lado norte do adro da Igreja, é encontrada uma imagem gótica de Santo António, em calcário, com vestígios de policromia.

A construção de uma casa de habitação na Quinta dos Padrões, há mais de seis décadas, fez surgir um conjunto de vestígios arqueológicos que indiciam a existência, naquele mesmo local, de edifícios provavelmente tardo-romanos. Fragmentos de cerâmica, pesos de tear, tegulae e imbrex, tijolos e canalizações revelam a importância do local.

O aparecimento, posterior, aquando da abertura de vinhas na quinta, de capitéis visigóticos, sarcófagos antropomórficos, uma tina poligonal e diversas pedras lavradas com decorações medievais, fazem pensar na existência de um templo de época posterior.

Mais tarde, ainda, surgem cerâmicas comuns romanas, sigillatas hispânicas e claras D, cerâmicas de englobe interior vermelho pompeiano e fragmentos de uma lucerna do século IV no local onde foi aberto o campo de futebol, contíguo à Quinta dos Padrões, elementos que contribuem para definir uma grande área de dispersão de um povoado tardo-romano.

Meinedo terá evoluído a partir de um castro indígena, no local onde hoje se encontra implantado o cemitério, com uma importância relevante na época romana.

Em 1991, as escavações arqueológicas revelaram uma estrutura absidal circular pertencente a um primitivo templo pré-românico. O alargamento do caminho atrás do campo de futebol provocou o aparecimento de muitos fragmentos cerâmicos que indiciam a probabilidade da existência de mais vestígios arqueológicos.

As escavações aí realizadas puseram a descoberto os alicerces de parte de uma estrutura habitacional com quatro muros em opus incertum, bem como um espólio composto por cerâmicas de uso comum, nomeadamente fragmentos de dolia, bordos de pratos covos de ir ao lume, fragmentos de bilhas e asas de cântaros.

Referência, ainda, para a existência de dois fragmentos de terra sigillata, de fabrico hispânico, pertencendo um deles à aba de um prato da forma 4, datável entre o último terço do século I d.C. e os princípios do século II, datação corroborada pelo segundo fragmento.

No mesmo local foram, também, encontrados fragmentos de cerâmica cinzenta fina polida decorada, um fragmento tubular do pé cilíndrico e uma taça de vidro esverdeado, o qual remete para uma cronologia entre Tibério e Nero, com perduração na época flaviana. Estes achados comprovam a existência de um povoado romano em Meinedo, em meados do século I.

Envolvente
Ouvir

No âmbito do Estudo de Valorização e Salvaguarda das Envolventes aos Monumentos da Rota do Românico do Vale do Sousa, no qual foram definidas as linhas diretrizes e de enquadramento para a elaboração subsequente dos projetos técnicos de execução e respetivas obras para a valorização e salvaguarda das envolventes aos monumentos, enunciaram-se as condicionantes consideradas de maior relevância para preservar e requalificar as envolventes aos imóveis.

Envolvente da Igreja de Santa Maria de Meinedo

O objetivo do Estudo passa por preservar o contexto em que estes se encontram inseridos, nomeadamente através da integração das condicionantes em dispositivos legais – como Zonas Especiais de Proteção – que restrinjam intervenções urbanísticas que façam perigar a integridade das envolventes.

Procedeu-se, também, à definição das áreas de atuação e intervenções de âmbito geral a ter em conta nas envolventes, para alargar o ordenamento do território a uma zona mais vasta no sentido de permitir uma melhor circulação de turistas na região.

Finalmente, o Estudo definiu quais as intervenções prioritárias a realizar nas envolventes aos monumentos, para permitir a estabilização dos territórios e, simultaneamente, corrigir e/ou criar estruturas e infraestruturas de apoio.

O alargamento da via-férrea provocou uma descontinuidade da paisagem envolvente à Igreja, de matriz rural, com uma densificação urbana difusa ao longo das vias principais e uma nucleação urbana junto da estação dos caminhos de ferro de Meinedo.

O Estudo propõe a realização de uma intervenção que amenize o impacto da via férrea, especialmente na zona de atravessamento do vale, nomeadamente através da execução de abrigos da estação de maior transparência e a amenização dos muros de betão de suporte da linha.

Uma das soluções poderá ser a aplicação de um novo revestimento e a aplicação de uma linha de árvores entre a estação e o lugar de Torrinha.

Na envolvente mais próxima ao monumento, deverão ser realizadas obras de definição dos espaços públicos da via, criadas zonas de estacionamento e redefinido o sistema de iluminação pública e o equipamento urbano, mais consentâneo com a presença do monumento.

Além disso, defende-se a consolidação do casario já existente e a amenização dos empreendimentos edificados a poente da Igreja, nomeadamente através da plantação de árvores.

Recuperação e Valorização
Ouvir

Os espaços exteriores da Igreja foram alvo de requalificação, tendo a obra incidido no espaço envolvente do imóvel, paralelamente à sua integração com a estação dos caminhos de ferro.

Os pavimentos foram alvo de substituição e redesenho, contribuindo para a redefinição da circulação automóvel, a criação de espaços destinados ao estacionamento automóvel e a criação de uma pequena praça pública.

Os pavimentos, anteriormente cobertos a alcatrão, foram substituídos por lajeado granítico cinzento e cubos de granito amarelo. Do projeto fizeram parte, ainda, a alteração do muro ao longo da linha-férrea e a integração visual e paisagística da Igreja no contexto do local, visando a criação de uma relação de continuidade.

Galeria
  • +Arco triunfal da Igreja de Meinedo

    JPG - 495Kb

    Download»
  • +Retábulo-mor da Igreja de Meinedo

    JPG - 248Kb

    Download»
  • +Imagem de Nossa Senhora de Meinedo da Igreja de Meinedo

    JPG - 195Kb

    Download»
  • +Igreja de Santa Maria de Meinedo

    JPG - 279Kb

    Download»
  • +Igreja de Santa Maria de Meinedo

    JPG - 99Kb

    Download»
  • +Fachada sul da Igreja de Meinedo

    JPG - 216Kb

    Download»
  • +Arquivoltas da Igreja de Meinedo

    JPG - 237Kb

    Download»
  • +Portal ocidental da Igreja de Meinedo

    JPG - 237Kb

    Download»
  • +Nave da Igreja de Meinedo

    JPG - 271Kb

    Download»
  • +Cachorro da Igreja de Meinedo

    JPG - 249Kb

    Download»
Saber mais
Bibliografia

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de – História da Arte em Portugal: o Românico. Lisboa: Editorial Presença, 2001.

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de; BARROCA, Mário Jorge – História da Arte em Portugal: o Gótico. Lisboa: Editorial Presença, 2002.

ALMEIDA, J. A. F. de – Tesouros Artísticos de Portugal. Lisboa: Selecções do Reader ´s Digest, 1976.

AZEVEDO, José Correia de – Inventário Artístico Ilustrado de Portugal. Lisboa: Edições Nova Gesta, 1992.

CARDOSO, Jorge; SOUSA, António Caetano de Sousa; FERNANDES, Maria de Lurdes Correia – Agiológio Lusitano. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2002. Fac-simile da edição original de 1652-1744.

LOPES, Eduardo Teixeira – Lousada e as suas freguesias na Idade Média. Lousada: Câmara Municipal de Lousada, 2004. Lousada e as suas freguesias na Idade Média

LOPES, Eduardo Teixeira – Meinedo: subsídios para uma possível história desta freguesia. Lousada: Câmara Municipal de Lousada, 2001.

OLIVEIRA, A. de Sousa – A Igreja românica de Sta. Maria de Meinedo e a sua raiz na Alta Idade Medieval. Porto: [s. n.], 1969.

ROSAS, Lúcia (coord.) – Românico do Vale do Sousa. Lousada: Comunidade Urbana do Vale do Sousa, 2008.

SANTA MARIA, Agostinho de, Frei – Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora, e das milagrosamente apparecidas, que se venerão em os Bispados do Porto, Vizeu, & Miranda. Lisboa: Off. de António Pedrozo Galram, 1716. Tomo V.

SIMÕES, J.M. dos Santos – Azulejaria em Portugal no século XVII. 2.ª Edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997. Tomo I.

VIEIRA, José Augusto – O Minho pittoresco. Lisboa: Livraria António Maria Pereira - Editor, 1886. Vol. II, III e IV.

Downloads