Informação Geral
Igreja do Salvador de Tabuado  
Ver Mapa
Visita Virtual
  • Nome: Igreja do Salvador de Tabuado
  • Tipologia: Igreja
  • Classificação: Imóvel de Interesse Público, pelo Dec. n.º 33/587, DG, 1.ª série, n.º 63 de 27 março de 1944
  • Concelho: Marco de Canaveses
  • Dia do Orago: Divino Salvador - 6 de agosto 
  • Horário do Culto: Sábado - 18h45; domingo - 8h00 
  • Horário da Visita: Por marcação   
  • Serviços de apoio:
  • Telefone : 255 810 706 / 918 116 488   
  • Fax: 255 810 709   
  • E-Mail: rotadoromanico@valsousa.pt    
  • Web: www.rotadoromanico.com   
  • Localização:
    Rua da Igreja, freguesia de Tabuado, concelho do Marco de Canaveses, distrito do Porto.
  • Como Chegar:

    Se vem do Norte de Portugal através da A28 (Porto), da A3 (Porto), da A24 (Chaves/Viseu), da A7 (Póvoa de Varzim) ou da A11 (Esposende/Marco de Canaveses) siga na direção da A4 (Bragança/Matosinhos). Saia para o Marco de Canaveses e continue na direção de Baião até se deparar com a sinalização da Igreja de Tabuado.

     

    A partir do Porto opte pela A4 (Vila Real). Saia para o Marco de Canaveses e continue para Baião.

     

    Se vem do Centro ou Sul de Portugal pela A1 (Porto) ou pela A29 (V.N. Gaia) opte pela A41 CREP (Vila Real). Escolha depois a A4 (Vila Real) e saia para o Marco de Canaveses. Continue para Baião.

     

    Se já se encontra na cidade do Marco de Canaveses, tome a variante à estrada N211 na direção de Baião até se deparar com a sinalização da Igreja de Tabuado.

  • Coordenadas Geográficas: 41° 11' 9.51" N / 8° 7' 11.54" O 
História
História
Ouvir
Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)Das abundantes descrições de teor geográfico ou corográfico referentes a Tabuado ressaltam as apreciações à forte presença senhorial. Embora designado como couto, termo que lhe adviria da hipotética fundação de um mosteiro dedicado ao Salvador, os autores insistem em salientar a predominância de certas famílias à frente deste pequeno território situado nos limites da província do Minho.

De facto, como esclarece Crispiniano da Fonseca, a denominação couto aplicada a Tabuado esbarrava com a força do poder senhorial que aqui dominava e parecia enquadrar-se melhor nos atributos jurídicos aplicados às honras, terminologia que, de resto, aparecia no século XVI.

Mas esta variabilidade de jurisdições, estatutos e poderes parece esconder o interesse de uns e outros neste pequeno território, cujo valor se pode explicar toponimicamente: Tabuado, de tábua, expressão corrente na Idade Média para designar a madeira destinada à construção.

Em 1258 refere-se Santa Maria de Tabulata, indicando-se o coutamento e que a Igreja era de padroeiros da família de Gosendo Alvares. A circunstância de, naquele ano, se referir uma Heremita de Tabulato e uma Heremita de Sancta Maria de Tabulata e dado que o orago Salvador não aparece indicado nas inquirições afonsinas, parece evidenciar que não estava definida, ainda, a igreja matricial, dando assim expressão à tradição que indica a existência de uma comunidade monástica (talvez sedeada na Igreja do Salvador, que depois substituiu a de Santa Maria).

Tendo a honra passado a couto (pela mão do infante Afonso Henriques) e a pretensa Igreja monástica a abadia secular, os interesses quer dos eclesiásticos, quer dos leigos, não deixaram de se sentir até bastante tarde, como provam os contínuos pleitos e demandas acerca das jurisdições sobre o território e a igreja.

Esta foi taxada em 105 libras no ano de 1320, valor que pouco nos diz acerca da importância do edifício e dos seus rendimentos no contexto regional.

A tradição refere, portanto, que o couto teria sido fundado por Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, à semelhança de outros institutos próximos.

Embora as referências documentais disponíveis atestem a existência de um ou dois templos em Tabuado (um consagrado a Santa Maria e outro ao Salvador), cuja fundação é anterior a 1131, a verdade é que os testemunhos arquitetónicos remanescentes nesta Igreja do Salvador falam-nos de uma cronologia mais recente e que deve ser posicionada já a partir de meados do século XIII, conforme nos indica a rosácea protogótica da fachada principal e os elementos estilísticos que nos mostram um flagrante paralelismo com a estética do Mosteiro de Paço de Sousa (Penafiel), integrando-se assim na família das igrejas do designado românico nacionalizado.

O aspeto purista do interior da Igreja deriva de uma profunda intervenção de restauro realizada ao longo da década de 1960 e que, na vontade de devolver a esta Igreja uma pretensa pureza medieval, retirou-lhe significativos testemunhos artísticos e litúrgicos que lhe foram sendo acrescentados ao longo da história.

No entanto, foi durante esta profunda intervenção que se descobriu a única pintura mural nesta Igreja, na parede fundeira da abside, ainda muito bem conservada: na área central, sob um abobadamento de nervuras, surge a imagem de Cristo Salvador, entronizado numa cadeira de espaldar com dossel franjado.

Está ladeada, ao modo de Sacra Conversazione, por São João Baptista, o Precursor, e por São Tiago representado como peregrino, ostentando no chapéu uma vieira e segurando na mão esquerda o bastão de caminhante.

Tendo como fundo, um registo vermelho pontuado por flores-de-lis e rosas, estas três imagens surgem enquadradas por um abobadamento de nervuras. As zonas laterais são ocupadas por um padrão decorativo formado a partir de vários eixos verticais constituído por um padrão decorativo de caráter geométrico, uma espécie de grinalda de losangos.

Realizada nos inícios do século XVI, a pintura mural de Tabuado é um exemplar único, pois não se conhece qualquer outra obra realizada pela mesma oficina que a concebeu.
Personalidades Históricas
Ouvir
Gosendo Alvares
São parcas as informações sobre este homem. Sabemos, contudo, que em setembro de 1131, o infante Afonso Henriques deu-lhe a carta de couto de Salvador do Tabuado.

Nas inquirições de 1258, a Igreja de Tabuado é ainda referenciada como tendo como padroeiros os descendentes de Gosendo Alvares.

Aparece também referenciado em 30 de outubro de 1116, já que, juntamente com a sua esposa, Ausenda Mendes, comprou a D. Teresa as herdades de Fontelas e Seixido (Régua).
Cronologia
Ouvir

1258 - Refere-se Santa Maria Tabulata;

1320 - A Igreja de Tabuado é taxada em 105 libras;

1475 - O couto de Tabuado é reduzido a abadia secular;

Século XV (finais) - Período cronológico provável para a elaboração das campanhas de pintura da Igreja;

1912 - Entrega dos bens da paróquia de Tabuado à Comissão concelhia dos bens cultuais;

1955-1972 - Período de intervenções a nível de conservação e restauro na Igreja de Tabuado;

2010 - Integração da Igreja do Salvador de Tabuado na Rota do Românico;

2013 - Conservação geral da Igreja ao nível das coberturas e paramentos exteriores, no âmbito da Rota do Românico.

Especialidades
Arquitetura
Ouvir
A Igreja de Tabuado é composta por nave única e capela-mor quadrangular, esta mais baixa e estreita que a nave. Esta diferenciação é visível exteriormente devido ao escalonamento dos volumes. No alçado norte e de edificação moderna, adossam-se a sacristia, ao nível da cabeceira, e uma capela inicialmente consagrada a Jesus, ao nível da nave.

Planta da Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)Os testemunhos românicos desta Igreja apontam-nos para meados do século XIII. É, por isso, considerada como um precioso exemplo de um dos estádios de evolução da arquitetura românica desta região, já num período de transição.

A fachada principal deste templo atesta o referido ao nível do óculo que encima o portal e que encontra paralelos nas soluções adotadas na Igreja do Mosteiro de Paço de Sousa (Penafiel), datável já do século XIII.

A sua composição é feita através de uma grelha de cantaria que desenha pequenos círculos, um central e seis envolventes. O óculo é, ainda, ornado por uma moldura interna de rosetas relevadas.

Na fachada principal destaca-se o portal principal. Composto por três arquivoltas, já quebradas, ornadas com pérolas e definidas por elegante toro, é envolvido por um rico friso de entrançado.

Os capitéis acusam um talhe a bisel e uma variada temática que passa pelos bovídeos, palmetas e laçaria. Nas impostas, um fino corte desenha folhagem, prolongando-se estas sob a forma de friso liso por toda a fachada.

As colunas mostram já uma alternância entre fustes lisos e prismáticos, indícios de uma cronologia bastante avançada e um testemunho direto da influência que o românico de Coimbra, a partir da Igreja de Santiago, exerceu sobre esta ampla região do vale do Sousa e, mesmo, do Baixo Tâmega.

O tímpano liso é sustentado por mísulas em forma de cabeças de touro. Os elementos que dão corpo a este portal encontram paralelos no mesmo Mosteiro de Paço de Sousa ou, até, na Igreja de São Vicente de Sousa, considerada por Manuel Monteiro como um dos testemunhos mais bem conseguidos do chamado românico nacionalizado.

O campanário, que com esta fachada cria um eixo perpendicular, surge sob a forma de um maciço bloco de granito. Visto a partir de norte apresenta-se com o aspeto quase de uma torre defensiva, forte e maciça, na sua grossa silharia.

O caráter fortificado e militar da arquitetura religiosa da época românica portuguesa, mais retórico do que propriamente militar, foi intensamente glosado pela historiografia que se consagrou à matéria.

Na parte superior do campanário rasgam-se dois arcos quebrados, para acolhimento dos sinos, sendo rematado por empena encimada por cruz. Na face voltada ao portal, três cachorros, cravados à altura dos capitéis, atestam a pré-existência de um alpendre.

No corpo da nave e ao nível do arco cruzeiro, persistem dois contrafortes justificando a sua existência com o caráter maciço da massa murária que o envolve. O diâmetro do arco, relativamente à amplitude da nave, resguarda o espaço da capela-mor, que na época românica se queria intimista e reservada ao olhar dos fiéis. 

Fachadas da Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)No alçado norte, e apesar dos corpos apensos, duas estreitas frestas rasgadas acima do nível do friso que percorrem toda a Igreja, assim como uma cornija suportada por modilhões lisos.

No lado sul repete-se o esquema do lado oposto, ao qual acrescentamos a presença de cachorros que atestam a existência de uma estrutura alpendrada.

Com duas arquivoltas quebradas, o portal de acesso ao interior repete uma modenatura idêntica à do portal principal: o tímpano liso assenta sobre duas impostas salientes. Os capitéis, assentes sobre fustes lisos que ostentam motivos vegetalistas trabalhados a bisel.

Na fachada posterior, sobre o friso, uma fresta formada por duas arquivoltas, lisas, com aresta viva e vitrais coloridos, formando um losango. Uma cruz flordelisada coroa a empena da cabeceira.

Também o interior do edifício acusa o mesmo caráter simples da arquitetura e a mesma severidade da ornamentação exterior. O granito aparente da nave apenas é animado por um embasamento, também em cantaria e por uma cornija de tríplice moldura, numa posição elevada.

Atente-se que este aspeto algo despido do interior da Igreja decorre da intervenção de restauro realizada na década de 1960.

Da época românica, o que mais se destaca é o arco triunfal, cujo arranjo é muito original, apresentando-se ao modo de porta. Duas arquivoltas de arco quebrado são envolvidas por um friso onde se desenha uma composição feita com base em encordoados e motivos geométricos.

As arquivoltas assentam sobre duas colunas, sendo as impostas ornadas com dentes de serra e círculos encadeados. Do lado do Evangelho, os capitéis compõem-se, um com aves que entrelaçam os pescoços e um outro com a figuração de um homem preso ao cesto do capitel por uma corda, expressando a forma como a arte românica adapta a escultura aos elementos da arquitetura.

Do lado da Epístola, a tão comum temática dos quadrúpedes afrontados e unicéfalos, e uma ave de grandes dimensões que poderá ser um pelicano, a que Vergílio Correia chamou de "avejão". Sobre o arco triunfal, um óculo confrontante ao da fachada principal. 
Recuperação e Valorização
Ouvir

Conservação e valorização da Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)Apesar de em 1945 o pároco de Tabuado, Joaquim Pereira da Cunha, ter-se dirigido ao Governador Civil do Porto, comunicando que a Igreja “carecia de urgentes reparações, por o seu estado não merecer segurança”, para que “moralmente não seja comprometido do que venha a suceder, durante os actos do culto, muito frequentados, em resultado de um desastre”, foi só em finais da década de 1950 que as obras arrancaram, alcançando um especial fôlego em inícios dos anos 60.

A culminar este processo, o Boletim n.º 125 da DGEMN, datado de 1972, foi dedicado à intervenção realizada em Tabuado.

Apesar de se considerar que se procedeu apenas a “pequenos pormenores de reajustamento”, porque “a Igreja de Tabuado chegou aos nossos dias com poucos enxertos e mutilações”, a verdade é que através do texto e da iconografia que este mesmo Boletim nos fornece, ficamos com a sensação de que assim não foi.

Conservação e valorização da Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)O conjunto de intervenções realizadas entre 1955 e 1972, que, “embora sem a preocupação de efectuar qualquer tarefa de restauração integral”, visaram restituir à Igreja a “dignidade e harmonia que outrora possuiu”.

A restituição dessa dignidade e harmonia passou, precisamente, pela valorização de uma arquitetura de raiz medieval, ou seja, românica, e pela “desbarroquização” do seu espaço interior, restituindo-lhe aquela que se considerava ser a sua traça primitiva.

A enumeração de alguns dos “Trabalhos Efectuados” é bem explícita no que toca a estes aspetos: “eliminação do coro [década de 1960], muito recente e mal implantado, com acesso por escada exterior à fachada lateral; eliminação dos retábulos dos altares laterais e do principal, sem valor artístico (…) e demoliu-se a capela baptismal [na parede do lado do Evangelho], construção incaracterística e desnecessária, localizando-se a pia primitiva junto à entrada principal do templo”. A par destes trabalhos, outros foram feitos, incluindo essencialmente a substituição dos pavimentos e das coberturas.

Conservação e valorização da Igreja de Tabuado (Fotografia: © SIPA – IHRU)A sacristia seiscentista – “cujo estado de conservação não admitia uma consolidação capaz e cujo telhado esconde uma friesta da capela-mór” - foi totalmente reedificada. Mas embora se tenha optado pela sua “reconstrução integral no mesmo local”, a verdade é que não deixa de ser curioso que se optou por alterar a localização da sua porta de acesso ao exterior, primeiramente voltada a ocidente e confrontante com o exterior da capela de Jesus e, depois, rasgada para oriente, agora mais desafogada.

Após estes trabalhos, e a partir da década de 70, foram-se efetuando intervenções pontuais de conservação do edifício com especial cuidado para as coberturas e conservação da pintura a fresco da parede fundeira.

Em 2013, foram realizados trabalhos de conservação geral da Igreja ao nível das coberturas e paramentos exteriores, no âmbito da Rota do Românico.

Galeria
  • +Igreja de Tabuado. Nave.

    JPG - 648Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado (1970) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 157Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado [s.d] (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 270Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Arco-triunfal. Capitel.

    JPG - 877Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Nave.

    JPG - 597Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Capela-mor. Pintura mural.

    JPG - 898Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado (1967) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 193Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado [s.d] (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 141Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado (1955) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 162Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado (1970) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 145Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado (1970) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 227Kb

    Download»
  • +Igreja do Salvador de Tabuado [s.d] (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 197Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Capitéis do portal ocidental.

    JPG - 829Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Portal ocidental. Mísula.

    JPG - 679Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Detalhe do portal ocidental.

    JPG - 783Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Capitel do portal ocidental.

    JPG - 867Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachadas ocidental e sul.

    JPG - 596Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada norte.

    JPG - 607Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Arco-triunfal. Base das colunas.

    JPG - 953Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Nave. Pia batismal.

    JPG - 816Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Arco-triunfal. Capitel.

    JPG - 898Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Portal ocidental.

    JPG - 812Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Fachada ocidental. Detalhe do portal ocidental.

    JPG - 762Kb

    Download»
  • +Igreja de Tabuado. Capela-mor.

    JPG - 674Kb

    Download»
Saber mais
Bibliografia

[S.a.] - Boletim da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais: Igreja de Tabuado/Marco de Canaveses. Porto: Ministério das Obras Públicas/DGEMN, 1966.

[S.a.]- Tabuado. In CORREIA, António Mendes [et al.] – Grande enciclopédia portuguesa e brasileira. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, 1963. Vol.  30, p.517-519.

[S.a] - MURAL DA HISTÓRIA – Conservação e restauro das pinturas murais da Igreja de Tabuado, Porto, Marco de Canaveses, Tabuado. Caderno de encargos, especificidades técnicas. Lisboa, 2012. Texto policopiado.

AFONSO, Luís Urbano - A pintura mural portuguesa entre o gótico internacional e o fim do renascimento: formas, significados, funções. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2009.

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Arquitectura românica de Entre Douro e Minho. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 1978. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Primeiras impressões sobre a arquitetura românica portuguesa. Revista da Faculdade de Letras - Série História. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Vol. II (1971).

ALMEIDA, Fortunato; PERES, Damião, dir. - História da Igreja em Portugal. Porto: Livaria Civilização, 1971.

AZEVEDO, Carlos Moreira - Eucaristia. In AZEVEDO, Carlos Moreira - Dicionário de história religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000. ISBN 972-42-2459-7. Vol.  4, p.  388-396.

BESSA, Paula - Pintura mural do fim da Idade Média e do início da Idade Moderna no norte de Portugal. Braga: Universidade do Minho,  2008.

BOTELHO, Maria Leonor; RESENDE, Nuno – Igreja do salvador de Tabuado: Marco de Canaveses. In ROSAS, Lúcia, coord. cient. – Rota do Românico. Lousada: Centro de Estudos do Românico e do Território, 2014. Vol. 2, p. 159-186.

BOTELHO, Maria Leonor - A historiografia da arquitectura da época românica em Portugal. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto,  2010a. Tese de doutoramento em história da arte portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2010. Texto policopiado.

BOTELHO, Maria Leonor - São Vicente de Sousa e o “românico nacionalizado” da região do Vale do Sousa. Felgueiras: Câmara Municipal, 2010b.

CORREIA, Vergílio - Monumentos e esculturas: seculos III-XVI. Lisboa: Livraria Ferin, 1924.

COSTA, A. Carvalho da - Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal... Lisboa: Off. de Valentim da Costa Deslandes, 1706.

CRAESBEECK, Francisco Xavier da Serra - Memórias ressuscitadas da província de Entre-Douro-e-Minho no ano de 1726. Ponte de Lima: Carvalhos de Basto, 1993.

CUNHA, Rodrigo da - Catalogo e historia dos bispos do Porto. Porto: João Rodriguez, 1623.

FONSECA, Crispiniano - Panorama histórico da antiga vila e couto de Tabuado, situado no extincto concelho de Gouveia, comarca eclesiástica de Riba-Tâmega... Douro-Litoral. N.º 3-4  (1957) 353-379.

GAIO, Felgueiras Manuel José da Costa - Nobiliário de famílias de Portugal. [Braga]: Agostinho de Azevedo Meirelles/Domingos de Araújo Affonso, 1938-1941.

GRAF, Gerhard N. - Portugal Roman : le sud du Portugal, la nuit des temps. Paris: Zodiaque, 1986.

HACQUARD, Georges - Dicionário de mitologia Grega e Romana. Porto: Edições Asa, 1986.

HERCULANO, Alexandre, dir. - Portugalliae monumenta historica : o saeculo octavo post christum usque ad quintumdecimum: inquisiciones. Lisboa: Tipografia Nacional, 1936.

MATTOSO José; KRUS, Luís; BETTENCOURT, Olga - As inquirições de 1258 como fonte da história da nobreza: o Julgado de Aguiar de Sousa. Revista de História Económica e Social. N.º 9  (1982)17-74.

MERCATI, Angelo; PELZER, Augusto - Dizionario ecclesiastico. Torino: Unione Tipografico - Editrice Torinese, 1958.

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS – Secretaria-geral – Arquivo. Comissão Jurisdicional dos Bens Cultuais, Porto, Marco de Canaveses, Arrolamento dos Bens Cultuais, Taboado, ACMF/Arquivo/CJBC/PTO/MDC/ARROL/024 (Processo) [Em linha]. Disponível em WWW: <URL:http://badigital.sgmf.pt/Arquivo-CJBC--PTO-MDC--ARROL---024>. fls. 1-1 v.

MONTEIRO, Manuel - Paço de Sousa: o românico nacionalizado. Boletim da Academia Nacional de Belas-Artes. Vol. 12 (1943) 5-21.

MORAIS, Cristóvão Alão de [et al.] - Pedatura lusitana: nobiliário de famílias de Portugal. Livraria Fernando Machado, 1673 [ed. 1948].

MOREIRA, Domingos A. - Oragos paroquiais portugueses. In AZEVEDO, Carlos Moreira - Dicionário de história religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000. Vol.  2.

NETO, Maria João Baptista - Memória, propaganda e poder: o restauro dos monumentos nacionais. Porto: Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, 2001.

PEDRO, Aquilino - Dizionario di termini religiosi e affini. Cidade do Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2000.

PEREIRA, Paulo - Historiografia da arte barroca. In PEREIRA, José Fernandes - Dicionário da arte barroca em Portugal. Lisboa: Editorial Presença, 1989.

PORTUGAL. Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território - IRHU/Arquivo ex-DGEMN/DREMN 2522. Igreja de Tabuado. Marco de Canaveses (14-janeiro-1941 a 24-abril-1972). S2/E47/P.7 Cx.0049.

PORTUGAL. Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território - IRHU/Arquivo ex-DGEMN/DREMN - Processos vários, Nº IPA PT011307240010 [Em linha]. Disponível em WWW: <URL:http://www.monumentos.pt>.

REÁU, Louis - Iconographie de l’art chrétien iconographie de la Bible : Noveau Testament. Paris: PUF, 1957.

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso - Arquitectura religiosa tardo-medieval e pintura mural: relações litúrgicas e espaciais. Revista da Faculdade de Letras – Ciências e Técnicas do Património. Vol. 2 (2003).

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso; SOTOMAYOR-PIZARRO, J. A. de - Território, senhores e património na Idade Média. In AGUIAR, Alexandre, coord. - Marco de Canaveses: perspectivas. Marco de Canaveses: Câmara Municipal do Marco de Canaveses, 2009. ISBN 978-972-95492-7-4. Vol.  1, p.  81-116.

SANTOS, Reinaldo dos; NOVAIS, Mário, fotografias de - O românico em Portugal. Lisboa: Editorial Sul, 1955.

VASCONCELOS, Alberto de Almeida de Azevedo e - [Memória Paroquial de] Tabuado [Manuscrito]. 1758. Acessível em ANTT, Lisboa. PT/TT/MPRQ/36/5.

Downloads