Informação Geral
Ponte do Arco  
Ver Mapa
  • Nome: Ponte do Arco
  • Tipologia: Ponte
  • Classificação: Imóvel de Interesse Público, pelo Dec. n.º 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro de 1982
  • Concelho: Marco de Canaveses
  • Horário da Visita: Livre 
  • Preço da Entrada: Gratuito   
  • Serviços de apoio:
  • Telefone : 255 810 706 / 918 116 488   
  • Fax: 255 810 709   
  • E-Mail: rotadoromanico@valsousa.pt   
  • Web: www.rotadoromanico.com   
  • Localização:
    Rua do Arco, freguesia de Várzea, Aliviada e Folhada, concelho do Marco de Canaveses, distrito do Porto.
  • Como Chegar:

     Se vem do Norte de Portugal através da A28 (Porto), da A3 (Porto), da A24 (Chaves/Viseu), da A7 (Póvoa de Varzim) ou da A11 (Esposende/Marco de Canaveses) siga na direção da A4 (Bragança/Matosinhos). Saia para o Marco de Canaveses e continue na direção de Baião. Siga a sinalização da Igreja de Tabuado e depois a da Ponte do Arco.

     

    A partir do Porto opte pela A4 (Vila Real). Saia para o Marco de Canaveses e continue para Baião. Saia para Tabuado.

     

    Se vem do Centro ou Sul de Portugal pela A1 (Porto) ou pela A29 (V.N. Gaia) opte pela A41 CREP (Vila Real). Escolha depois a A4 (Vila Real) e saia para o Marco de Canaveses. Continue para Baião. Saia para Tabuado.

     

    Se já se encontra na cidade do Marco de Canaveses, tome a variante à estrada N211 na direção de Baião. Saia para Tabuado e siga a sinalização da Ponte do Arco.

  • Coordenadas Geográficas: 41° 13' 19.72" N / 8° 5' 17.22" O 
História
História
Ouvir
Ponte do Arco (Fotografia: © SIPA – IHRU)A Ponte do Arco, sobre o rio Ovelha, liga as margens das paróquias de Folhada e de Várzea de Ovelha e Aliviada, no atual concelho de Marco de Canaveses. Até ao século XIX encontrava-se no centro do concelho de Gouveia.

Apesar das dificuldades em datar o período temporal em que foi construída, poderemos apontar para que esta seja uma edificação tardia correspondente ao período de finais da Idade Média ou inícios da Idade Moderna, quando a deslocação pendular e as movimentações ocasionais de média distância (como as procissões) ou a obtenção dos sacramentos a igrejas com sacrário, exigiu melhores vias e, consequentemente, travessias adequadas.

Para reforçar a ideia, devemos sublinhar que esta situava-se na interseção de vários ramais de comunicação dos tempos medievais e modernos: a estrada que ligava a Ponte de Canaveses à estrada de Amarante a Mesão Frio tinha um ramal que seguia por Várzea de Ovelha, até à Ponte do Arco.

Nas proximidades juntava-se-lhe um outro ramal proveniente da Igreja de Folhada. Feita a travessia, o percurso seguia até à Igreja do Salvador do Monte onde se unia a outra estrada, proveniente de Canaveses e com destino a Amarante.
Cronologia
Ouvir

1758 - O abade de Folhada indica e descreve a Ponte do Arco;

1982 – Pelo Decreto n.º 28, de 26 de fevereiro, a Ponte do Arco foi considerada Imóvel de Interesse Público;

1986 - Por ser passagem de veículos automóveis a Ponte sofre alguns revezes, ao nível das guardas e pavimento;

2010 - Integração da Ponte do Arco na Rota do Românico;

2015 - Trabalhos de conservação e salvaguarda da Ponte do Arco, no âmbito da Rota do Românico.

Especialidades
Arquitetura
Ouvir
De estrutura simples, a Ponte do Arco é composta por um só arco, com alçada em cavalete aproveitando os afloramentos rochosos nas duas margens, conferindo-lhe robustez e verticalidade.

Para suportar o embate de destroços trazidos por correntes fortes, foi-lhe acrescentado um talha-mar, encostado à face virada a montante, margem sul da estrutura. Junto a este talha-mar, com um formato retangular ligeiramente arredondado no lado norte, a Ponte apresenta uma abertura (um pouco mais baixa que o talha-mar) que permite a passagem.

Dada a persistência deste modelo em cavalete e a franca utilização do arco de volta perfeita ou quebrado como elemento de sustentação torna-se difícil assegurar a construção românica fazendo uma simples leitura à estrutura.

A ausência de siglas, não sendo determinante, auxiliaria na sua datação. Por enquanto, não se conseguiu identificar tais sinais no paramento da Ponte, não obstante obedecer a regras de construção comuns às travessias românicas.

Na margem direita, lado norte, no alinhamento do tabuleiro, erguem-se umas Alminhas, monumentos simples de piedade religiosa, erguidas quase sempre junto a caminhos rurais ou estradas nacionais com a intenção, por exemplo, de indicar os caminhos que conduzem aos grandes santuários e romarias da região.
Recuperação e Valorização
Ouvir

Recuperação e Valorização da Ponte do Arco (Fotografia: © SIPA – IHRU)No ano de 1977 foi requerido que a Ponte fosse classificada como imóvel de interesse público justificando-se pelo local estratégico onde se situava, pela sua ligação a possíveis arqueossítios vizinhos, às tradições e lendas que a envolviam e o facto de ser, sob o ponto de vista arquitetónico “um bom exemplar da época românica”.

O processo de classificação terminou a 26 de fevereiro de 1982, data em que, pelo Decreto n.º 28, publicado no Diário da República, foi a Ponte do Arco considerada como Imóvel de Interesse Público.

Acontece que a sua classificação não foi suficiente para a sua proteção. O seu uso por veículos automóveis prejudica a sua conservação, tendo-se mesmo verificado o abatimento de parte do pavimento.

Embora, na década de 80 do século XX, tenha sofrido obras de restauro, esta continuou aberta à passagem de veículos e, logo, sujeita a todas as ações de deterioração que daí advêm.

Em 2015, foram executados alguns trabalhos de conservação e salvaguarda da Ponte do Arco, no âmbito da Rota do Românico.

Galeria
  • +Ponte do Arco (1977) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 233Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Guarda.

    JPG - 759Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco.

    JPG - 734Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco (1977) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 308Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco (1977) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 235Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco (1977) (Fotografia: © SIPA – IHRU)

    JPG - 206Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Pavimento.

    JPG - 938Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco.

    JPG - 808Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Arco.

    JPG - 701Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Vista de montante.

    JPG - 950Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Vista de jusante.

    JPG - 830Kb

    Download»
  • +Ponte do Arco. Rio Ovelha.

    JPG - 831Kb

    Download»
Saber mais
Bibliografia

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Os caminhos e a assistência no Norte de Portugal.  In JORNADAS LUSO-ESPANHOLAS DE HISTÓRIA MEDIEVAL, 1, Lisboa, 1973 - A pobreza e a assistência aos pobres na Península Ibérica durante a Idade Média: actas. Lisboa: Instituto de Alta-Cultura/CEH-FLUL, 1973. Vol.  1, p.  40-57.

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Vias medievais entre Douro e Minho. Porto: Faculdade de Letras, 1968.

BRAVO, José Franco - [Memória Paroquial de] Folhada [Manuscrito]. 1758. Acessível em ANTT, Lisboa. PT-TT-MPRQ15-98.

CARDOSO, Jorge - Agiologio lusitano. Lisboa: [na oficina de Craesbeeck], 1666.

CUNHA, Arlindo Ribeiro da - "Lugares do culto de São Gonçalo no território da actual Diocese do Porto". Revista da Faculdade de Letras - Ciências e Técnicas do Património. Vol. 2 (2003) 81-94.

FARIA, Manuel Severim de; VAZ, Francisco A. Lourenço, introd., act. e notas - Notícias de Portugal. Lisboa: Edições Colibri, 2003. ISBN 972-772-360-8.

MARÇAL, Horácio - "A "Pedra" nas suas várias interpretações". Douro-Litoral. N.º 7  (1958) 697-755.

MORENO, Humberto Baquero - A acção dos almocreves no desenvolvimento das comunicações inter-regionais portuguesas nos fins da Idade Média. Porto: Brasília Editora, 1979.

OLIVEIRA, António de - "Migrações internas e de média distância em Portugal de 1500 a 1900". Arquipélago - História. Vol. 1, n.º 1  (1995) 259-307.

RESENDE, Nuno - Ponte do Arco: Marco de Canaveses. In ROSAS, Lúcia, coord. cient. – Rota do Românico. Lousada: Centro de Estudos do Românico e do Território, 2014. Vol. 1, p. 243-256.

RIBEIRO, Orlando - Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico: estudo geográfico. Lisboa: Letra Livre, 2011. ISBN 978-989-8268-10-5.

SILVA, João Belmiro Pinto da - S. Martinho de Aliviada e as pontes do Diabo.  In Jornadas de Estudo de Marco de Canaveses. Marco de Canaveses: Câmara Municipal de Marco de Canaveses, 1992. ISBN 972-95492-2-2. Vol.  1, p.  81-86.

TRANT, Nicolau - [Mappa do distrito entre os rios Douro e Minho feito pela ordem do Ilm.º e Exm.º Snr Nicolau Trant, brigadeiro encarregado do governo das armas do partido do Porto, anno 1813] [Material cartográfico]. Escala [1:193000]. 1861. Lisboa.

VITERBO, Joaquim de Santa Rosa de, O.F.M.- Elucidario das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usaram. Lisboa: A. J. Fernandes Lopes, 1865.

Downloads